Música: terapia para a alma!

MÚSICA-

Eu sempre gostei de música. Sempre gostei MUITO de música, desde pequena, e, creio, em grande parte, por influência de meus pais. Nunca faltou música lá em casa. E os gostos de ambos eram bastante ecléticos; dos brasileiros lembro-me bem de ter crescido — para mencionar somente alguns- escutando Dominguinhos, Geraldo Azevedo, Elba Ramalho, Belchior, Fagner, Toquinho, Chico Buarque, João Gilberto, Edu Lobo, Gal Costa, Tom Jobim, Taiguara, Rita Lee, Elis Regina, Leila Pinheiro, Marisa Monte, Zizi Possi, Caetano Veloso, Gilberto Gil, entre tantos outros. Era uma casa musical mesmo (apesar de ninguém ser músico).

Dia de sábado era meu dia preferido da semana. Era o dia em que íamos a uma loja de Cds [aquela super novidade da década de 1990], e escolhíamos, cada membro da família, um disco para levar pra casa (naquela época ainda não havia itunes nem youtube, então, acabava saindo um pouco mais caro “consumir” música de qualidade). Eu estava aprendendo -ainda que intuitivamente- que a música era alimento para a alma; era capaz de despertar sentimentos de alegria ou melancolia, de euforia ou paz.

Outro dia, durante o show de Gilberto Gil e Caetano Veloso, aqui em Lima, tive a oportunidade de reiterar a constatação à qual eu havia chegado ainda durante a infância (mesmo sem saber): a música é terapia; ela te faz viajar aos mais longínquos rincões da alma; te desperta para todos os sentidos; te faz voltar no tempo e reviver momentos de dor ou de prazer.

Como me sinto feliz ao escutar uma música bonita, que me faz arrepiar, que me dá vontade de sorrir à toa, que me faz até cantar (!). Foi assim durante aquele concerto de Gil e Caetano, mas também é assim sempre lá em casa. Com minha caixinha de som portátil, meu celular e meu bloototh, faço qualquer cômodo virar ambiente “musicado”.

Quando estudava para minhas provas do concurso, costumava escutar sequências de música clássica que facilitavam o aprendizado. Aquilo era uma verdadeira maravilha! Eu pensava, estudando: “a pessoa que teve a ideia de estudar essa conexão é um gênio. Nem sabe o bem que está fazendo a tantos “concurseiros” estressados”.

Mais tarde, quando comecei a meditar, percebi que algumas músicas facilitavam meu estado de concentração e minha atenção à respiração. Curiosa que sou, fui buscar mais informações acerca desse tipo de música. Para minha surpresa, havia vários estudos comprovando que as músicas em frequência de 432 Hz são as que estabelecem conexão com nosso espírito, aquelas que abrem nossos corações. A maior parte das músicas que escutamos, porém, estão em uma frequência de 440Hz, o que, segundo os cientistas, faz que elas atinjam somente nossos ouvidos e nossas mentes, e não cheguem ao mais profundo de nossas almas.

Corroborando esses estudos, cientistas publicaram, recentemente, pesquisa que demonstra os efeitos de músicas clássicas, como a 5ª Sinfonia de Beethoven, em células de câncer de mama (nos grupos submetidos às frequências dessas músicas, houve redução significativa das células cancerígenas). Algo extraordinário e surpreendente, se não fosse a constatação já antiga de que tudo no universo é energia, e de que, assim sendo, quando em frequências similares, há harmonia e conexão entre essas partículas energéticas.

Ancorados pela ciência ou baseados simplesmente nos benefícios que sentimos no corpo, na mente e na alma, devemos sempre experimentar os maravilhosos efeitos que a música pode surtir em nós. Ouso até afirmar ser uma boa música a melhor terapia para a dor, o melhor remédio para a doença e a melhor solução para muitas de nossas angústias e ansiedades. Mais música em nossas vidas!

Se você também é um buscador e deseja receber doses semanais de inspiração para cultivar o equilíbrio em sua vida, cadastre-se para receber nossa Newsletter:

Sobre o Autor Ver Todos os Posts Website Autor

Lara Lobo

Sou, assim como vocês, uma buscadora! Curiosa, viajante, fotógrafa amadora e praticante de tudo o que traz equilíbrio à vida. Escritora por terapia, comunicadora por vocação, estudiosa por paixão. Engajada em conhecer-me cada vez mais e, assim, poder ajudar cada vez mais pessoas a também se conhecerem. Alguém que anseia partilhar caminhos, reflexões, jornadas e hábitos que conduzam a uma vida mais equilibrada. Diplomata e professora de Yoga por amor.

  • Maria Otília Nunes

    Textos de comentários bastante inspiradores para uma vida saudável.